Fotos e vídeos estão constantemente na mira de pessoas mal-intencionadas. De anônimos a personalidades, pessoas que conhecemos já foram vítimas desses ciber crimes e tiveram sua privacidade exposta no amplo mundo digital. “A prevenção ainda é a melhor solução, sendo recomendável evitar o compartilhamento de senhas e o armazenamento na nuvem”, explica Emilio Simoni, gerente de Segurança da PSafe.

Outra opção é criar senhas no próprio dispositivo para impedir que arquivos íntimos caiam em mãos erradas. Alguns aplicativos gratuitos podem ajudar nessa tarefa, disponibilizando recursos que protegem as galerias de fotos, Facebook, WhastApp e oferecem mais segurança ao usuário em caso de furtos dos aparelhos.

Mas caso o vazamento ocorra antes de o usuário ter tomado as medidas preventivas, veja as dicas de como agir frente ao vazamento:

- Jamais apague as provas: Faça cópias de absolutamente tudo o que foi divulgado, registre a data de acesso e o link da página onde as imagens foram publicadas.

- Registre um Boletim de Ocorrência: Salve os arquivos em alguma mídia, imprima tudo e vá até uma delegacia para fazer um Boletim de Ocorrência relatando o que houve.

- Faça uma Ata Notarial: O documento lavrado tem plena validade jurídica, ou seja, ninguém poderá contestá-lo em um futuro processo judicial.

- Convoque os amigos: Caso pessoas conhecidas recebam este material por qualquer canal, avise os sobre o ocorrido.

- Procure um advogado: Com as provas, o B.O. e a Ata Notarial (que não é obrigatória) em mãos, fale com um advogado – de preferência, especializado na área de Direito Digital.

- Fale abertamente sobre o assunto: Vergonha ou medo só reforçam a impunidade. Por isso, garanta os seus direitos e não se cale. Lembre-se: a culpa nunca é da vítima!

Fonte: idgnow